quarta-feira, 31 de julho de 2019

Introdução ao Herbarium: a magia das ervas

Hoje começo um novo assunto que há tempos tenho vontade de escrever: ervas e suas propriedades mágicas. Quando pensamos em ervas no sentido religioso, logo nos lembramos de nossas avós e benzedeiras, que sempre tinham um galhinho de arruda para alguma reza. Eu me lembro de que quando era pequena sempre ia em benzedeiras porque minha mãe me levava, mas não entendia o sentido real daquilo: bater ervas sussurrando palavras. 

As ervas sempre foram utilizadas por povos antigos (em sua grande maioria, os pagãos), e seu uso vai muito além de um costume que foi passado de geração em geração por nossas avós. Os povos celtas, por exemplo,  tinham o costume de usar ervas para diversos fins (costume que foi depois condenado com a chegada do cristianismo, como bruxaria), e é por isso que muitas religiões neopagãs ainda trabalham com as ervas em rituais, banhos, defumações, etc. As chamadas "bruxas" na época da Inquisição eram apenas mulheres que também possuíam conhecimentos medicinais quanto ao uso das ervas, coisa que era considerada uma heresia porque tirava, de certa forma, o poder da Igreja, já que era inaceitável formas de cura que não viessem diretamente de Deus (como se as ervas pudessem existir sem uma mãozinha divina). Algumas religiões afro-brasileiras, como a Umbanda, também utiliza as ervas em seus ritos. O Xamanismo também é muito famoso por utilizar ervas, muitas vezes como forma de expansão da mente para atingir níveis mais elevados de consciência. 





As propriedades mágicas das ervas

As ervas sempre fizeram parte da vida dos povos antigos. A conexão com a natureza era muito maior do que a que temos hoje, e conhecer e manipular as ervas era algo extremamente normal. Vale lembrar que seu uso era uma necessidade, pois muitas vezes as plantas eram utilizadas como remédios na cura de algumas doenças, dores, abaixar a febre, etc. O uso de remédios farmacológicos era praticamente nulo, e foram nas ervas que esses povos antigos encontraram curas para diversos males. Essa tradição e esses conhecimentos eram passados oralmente de geração em geração, e é por conta disso que é muito comum que nossas avós e as antigas gerações conheçam bem as propriedades das ervas. Infelizmente com o passar dos anos esse conhecimento foi se perdendo, e hoje em dia é bem raro que alguém realmente saiba a fundo esse assunto. As benzedeiras, por exemplo, estão cada vez mais ficando escassas. Hoje, com o avanço da tecnologia e com muitos livros sobre o assunto, é muito mais fácil estudar sobre ervas e inclusive aprender a trabalhar aos poucos com elas. 



A primeira coisa que você deve saber é que você deve ter respeito no preparo de qualquer coisa que vá fazer com as ervas, tanto para as ressecadas, vendidas nas casas de ervas e religiosas, e principalmente para as frescas, para quem tem opção de colhê-las, seja em um vaso de plantas, seja direto na natureza. Se a erva estiver plantada, peça permissão para arrancar alguns galhinhos e retire somente o que for usar. Também é legal prestar atenção no período lunar que as ervas são colhidas. Sempre melhor na lua crescente e cheia.

Os benefícios das ervas em nosso organismo são comprovados cientificamente. Mas, além de trabalhar em nosso campo físico, as ervas também atuam em nosso campo energético, criando uma barreira protetora em nossa aura contra todo tipo de malefícios e ataques. Por isso é importante tomar banhos com ervas de vez em quando. (vou explicar um pouco melhor sobre os banhos com ervas nos próximos posts). Chás também funcionam, desde que você coloque uma intenção ao fazê-lo, ou seja, faça uma reza ativadora para que a essência mágica daquela erva seja absorvida por seu campo energético.

Algumas ervas são fáceis de se ter em casa, como a arruda, manjericão, alecrim, lavanda, etc., mas a grande maioria é difícil de encontrar para plantar, então a solução são as casas de ervas, onde existe uma variedade grande delas por preços razoáveis. Para quem mora na cidade de São Paulo, eu indico algumas casas de ervas que ficam ali na região da Sé, ao lado da Catedral. Casas de umbanda e artigos religiosos também costumam ter uma grande variedade, com muitas delas já misturadas e prontas para banhos, além de sabonetes com ervas.

Como utilizar as ervas

Há uma infinidade de maneiras de utilizar as ervas, como defumação, banhos, patuás, banhos de assento, em rituais, etc. Acredito que a forma mais popular de se utilizar as ervas são através dos chás. Existe uma infinidade de chás que, além de muito bons, ainda dão uma ajudinha extra em nosso campo energético. Mas, como disse acima, é necessário ativar suas propriedades através de uma simples reza antes do preparo. Uma dica básica, que vale para banhos e chás é: JAMAIS ferva a erva fresca, pois quando retiramos alguns galhos direto de onde ela estava plantada, esses galhos ainda estão conectados energeticamente à raiz da planta, ocasionando dor. Em plantas frescas, o ideal é a infusão, que consiste em ferver a água, desligar o fogo e só então colocar as ervas e deixá-las descansando ali por algum tempo. 

Além dos chás, os banhos são muito benéficos para retirar qualquer tipo de miasma, larva astral e energias negativas de qualquer tipo. Os banhos são ministrados logo após nosso banho higiênico e, dependendo da erva utilizada, esse banho deve ser feito do pescoço para baixo, e a água pode ser fria ou quente. Há também os banhos de assento, que ajudam a curar algumas doenças físicas e ginecológicas, além de equilibrar energeticamente a sacralidade feminina. Um banho de assento muito famoso é o de Camomila, que ajuda na cura da candidíase, por exemplo. 



Para quem quiser se aprofundar no assunto, indico um livro MUITO bom que fala sobre toda a parte ritualística das ervas, banhos, rezas, etc., além de explicar o benefício e as propriedades de cada erva, que é o "Rituais com ervas: banhos, defumações e benzimentos", do erveiro Adriano Camargo. De vez em quando é possível encontrá-lo na Convenção das Bruxas e Magos em Paranapiacaba dando palestras sobre o assunto. Eu já assisti e adorei!



Próxima postagem: Banhos com ervas: o que é e como fazer.

Bibliografia consultada:

Rituais com ervas: banhos, defumações e benzimentos, Adriano Camargo, 6º edição, 2017.


Manual de magia com as ervas, Bruno J Gimenes e Patrícia Cândido, Editora Luz da Serra, 2016.

Wicca - Herbarium - propriedades mágicas das ervas, Eddie Van Feu, Editora Escala, 2005.

Nenhum comentário:

Postar um comentário