sexta-feira, 4 de outubro de 2019

Canto Gregoriano no Mosteiro de São Bento (e fora dele)

Hoje a postagem vai ser uma dica super legal de uma atividade que, embora não seja muito comum por aqui e nem muito popular, é beeeem antiga e, na minha opinião, uma das mais belas formas de arte. Estava eu andando no centro de São Paulo à caminho do Mosteiro de São Bento, quando me deparei com um cartaz informativo (me perdoem a qualidade da foto): 





São as aulas de Introdução ao Canto Gregoriano no Mosteiro de São Bento. Totalmente gratuitas, os alunos aprendem a solfejar, cantar e compreender a notação quadrada medieval. Em outras palavras, o aluno aprende mais sobre essa arte milenar que, na minha opinião, é uma das heranças mais bonitas da Igreja Católica Medieval.

As aulas ocorrem sempre no último sábado de cada mês, das 09h30 às 11h30, e são ministradas pelo Mestre do Coro do Mosteiro, Dom Alexandre de Andrade O.S.B. Não é necessário ter conhecimento musical, todos podem participar. Também não é necessário se inscrever, basta chegar no horário e participar. Para quem quiser mais informações, o link do site oficial está aqui.

O Mosteiro de São Bento também está oferecendo aulas de Canto Gregoriano no Museu de Arte Sacra de São Paulo, com início em 15 de outubro de 2019 e término em 12 de novembro de 2019, também para todos os públicos, leigos ou não. Porém, diferente do oferecido no Mosteiro, esse curso é pago. O link do Museu de Arte Sacra, com todas as informações e conteúdo de cada aula, pode ser acessado aqui.




O que é Canto Gregoriano?

Desde pequena, não sei explicar o porquê, eu sou apaixonada por Canto Gregoriano. Não sei exatamente onde conheci, mas toda vez que escuto tenho impressão de que me sinto em casa. É uma sensação estranha (vidas passadas, talvez?!), e desde então eu venho pesquisado a respeito.

O Canto Gregoriano é um tipo de música sacra herdado da Igreja Católica Medieval. Criado pelo papa São Gregório Magno (que comandou a Igreja entre os anos 590 a 604) no século VI (daí vem o nome "Gregoriano"), foi adotado pela Igreja como um tipo de oração cantada, um momento meditativo. Cantado em latim e sem instrumentos (vez ou outra é acompanhado de órgão ou piano), possui uma só melodia. É um canto litúrgico que era muito utilizado nas missas. As vozes acabam por se ampliar devido à acústica das Catedrais, o que criava um efeito sonoro diferente.

Além do Canto Gregoriano, o papa Gregório Magno também fundou a Schola Cantorum, uma instituição que tinha por finalidade ensinar e aprimorar o canto litúrgico. Muitos monges foram enviados à Roma para aprender mais sobre a técnica e, posteriormente, levá-la à comunidade paroquial a qual pertenciam. No início de sua criação, o Canto Gregoriano era composto somente de salmos e frases bíblicas. Com o passar do tempo,  os monges passaram também a compor músicas e poemas para serem cantados liturgicamente, em latim. A autoria de grande parte dos cantos ainda hoje é desconhecida; o que se sabe é que a maioria das composições foi criada pelos monges de antigos mosteiros espalhados pela Europa medieval. 




O auge desse canto litúrgico foi na Alta Idade Média (anos 476 a 1000). Na época de sua criação, o Canto Gregoriano foi considerado uma música elevada, pura, em oposição aos outros tipos de músicas populares da época, que eram vistas como profanas. 

Mesmo tendo surgido na época medieval, muitos mosteiros ainda utilizam esse canto sacro em suas missas. O Mosteiro de São Bento, por exemplo, conta com missas celebradas com Canto Gregoriano todos os domingos, às 10h. As missas e os cantos também são acompanhados por um órgão.

Pra quem quiser conhecer mais a respeito, e também ouvir um pouco de Canto Gregoriano, indico um vídeo no Youtube com uma compilação de cantos que sempre escuto. Também é possível encontrar outros cânticos no site.



Nenhum comentário:

Postar um comentário