terça-feira, 25 de junho de 2019

Rei Arthur - A lenda da espada

Ontem assisti um filme muito bacana de 2017 e resolvi escrever sobre. Na verdade, pesquisando um pouco depois, vi que ele não foi tão aclamado pela crítica e nem teve boa bilheteria. O filme é Rei Arthur - A lenda da espada. Dirigido por Guy Ritchie, o filme conta a história da ascensão de Arthur ao trono de uma forma diferente da história original. Cheio de efeitos especiais e uma ambientação que não me remeteu tanto ao medievalismo assim, o filme passeia por efeitos tecnológicos demais.



O longa foi planejado para se tornar uma franquia, mas como arrecadou menos do esperado, os produtores desistiram. O plano da Warner Bros era criar um filme para cada cavaleiro da Távola Redonda, mas parece que não deu muito certo...


Mais um filme sobre a lenda do Rei Arthur...

Com uma bilheteria baixa (a arrecadação do filme sequer cobriu os custos de produção), o filme mostrou que talvez não seja necessário MAIS UM filme sobre o Rei Arthur. Acho que acaba enjoando, vira mais do mesmo, e o que mais temos, tanto no cinema quanto na literatura, são remakes e versões da lenda (o que eu não acho ruim, pelo contrário), então acredito que a história se esgotou um pouco, de forma que as novas produções devem trazer algum diferencial senão se tornam maçantes. Acredito que o público não tem mais tanto interesse assim  nas lendas arthurianas (ao contrário de mim, claro).

Em Rei Arthur - A lenda da espada, Arthur (Charlie Hunnam) cresce como um menino pobre, sem lembrar de suas origens. Seu tio, Vortigern (Jude Law), irmão de seu pai, o antigo rei Uther Pendragon (Eric Bana), usurpou o trono de seu pai e matou o restante da família, enviando Arthur para viver com os plebeus da cidade, quando o pequeno príncipe ainda era uma criança. 

Arthur e alguns cavaleiros da Távola redonda
Vale a pena assistir?! 

Eu achei o filme no geral bom e recomendo, mas se você está acostumado com a história original, pode ser que se decepcione um pouco (mesmo com váaaarias versões que existem da lenda). O tio de Arthur se transforma em uma criatura infernal para matar o rei, seu irmão, e eu achei meio nada  a ver esse monte de efeito tecnológico. Não se criou uma atmosfera de lenda celta, e sim me pareceu um filme de heróis. Claro que isso foi só em algumas partes do filme, mas foi algo que me incomodou um pouco.

O começo do filme achei chato e maçante. Tinha uns elefantes nada a ver (que me lembrou muito o filme "300"). Achei confusa a explicação sobre o mago que estava por trás desse ataque (que inclusive ajudou Vortigern a ascender ao trono). Em outras cenas, alguns diálogos super rápidos e cenas em slow motion ou rápidas demais (mas acredito que isso seja uma das marcas de Guy Ritchie) também me deixaram confusa. Começou a melhorar mesmo do meio em diante, ai sim o filme me pegou e empolgou.  

Arthur tirando a Excalibur que estava cravada na pedra

Sobre as atuações, eu até que gostei. O personagem principal, Arthur, interpretado pelo britânico Charlie Hunnam (que faz Sons of Anarchy), é um cara egocêntrico que não bota fé de que ele é o verdadeiro herdeiro ao trono, mesmo tendo conseguido tirar a Excalibur da pedra com facilidade. Achei boa a atuação, e achei diferente a abordagem que fizeram de Arthur. Em algumas histórias (pelo menos a maioria que vi), Arthur é um rapaz mimado e até chato. Esse filme deu uma abordagem diferente ao mostrar Arthur, por mais egocêntrico que fosse, como um guerreiro forte que batalhou a vida toda para sobreviver em meio ao caos da plebe. Mas, embora deram uma tratativa diferente ao personagem, também quiseram transformá-lo em Robin Hood em alguns momentos, e isso ficou meio estranho. A atuação do outro protagonista, Jude Law, como Vortigern, também está excelente e bota medo!!! 

Jude Law como Vortigern

Algumas coisas me soaram muito diferente das histórias, como o fato da Excalibur ter super poderes e, quando usada por Arthur, vira quase que uma arma de super herói. A explicação da espada ser mágica ocorre ao longo do filme (ela foi forjada pelo mago Merlin para ser usada pelo rei para derrotar o mal, sendo passada de geração em geração). Achei ok, mas não sentiria falta se a Excalibur não tivesse poderes mágicos. 

Uma coisa interessante que notei foi a participação da atriz irlandesa Katie McGrath no começo da história como a esposa de Vortigern. Katie interpretou Morgana Pendragon na série da BBC "As Aventuras de Merlin" (escrevi uma resenha e você pode conferir aqui), então achei até engraçado eles convidarem uma atriz que outrora já participou do universo arthuriano. 

Recomendo Rei Arthur - a lenda da espada por conta dessa história tão famosa e tão querida por nós medievalistas. Mesmo sendo mais um filme sobre a lenda (mas quem liga, não é mesmo?!), é sempre bom sentar no sofá e viajar no tempo.

Abaixo, um trailer do filme:


Nenhum comentário:

Postar um comentário